E3 2014: um resumo sobre os anúncios mais relevantes

e3-2014 (1)

*Artigo publicado originalmente no portal Tudo Para Homens, onde escrevo sobre games, tecnologia, cinema, música e comportamento.

E3 desse ano está chegando ao fim. E, como sempre, tivemos vários anúncios de novos games, em sua maioria, para a nova geração de consoles, que começa a ganhar força. Foi um ano onde MicrosoftSony Nintendo, focaram suas conferências na apresentação do que mais interessa para os jogadores: jogos.

Após assistir aos anúncios e ver e rever os trailers dos principais games que serão lançados até o ano que vem, fica a certeza de que finalmente a nova geração está finalmente começando a se estabilizar. Para quem ainda não adquiriu um PS4 ou Xone e está planejando a fazê-lo somente em meados do ano que vem, os meses de outubro e novembro desse ano, são meses que vão te provocar: Assassins Creed UnityFar Cry 4Call of Duty: Advanced WarfareBattlefield: HardlineFIFA 15GTA V (remasterizado para a nova geração) e, possivelmente, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, serão lançados nesse intervalo.

Quer continuar a resistir? Então nem assista aos trailers abaixo. A coisa tá simplesmente irresistível. Estão reunidos aqui, alguns dos principais games que serão lançados entre esse ano e o próximo. Se ainda não assistiu a nenhum mas mesmo assim já planeja adquirir um novo console ainda esse ano, você vai querer fazer antecipar a compra pra hoje! Eu falo sério, depois não diga que foi por falta de aviso. Ainda estão havendo mais anúncios, já que o evento termina só dia 12. Mas, se fosse incluir tudo aqui, esse texto ficaria longo demais.

Enfim, os mais relevantes estão listados aqui. Selecione a opção HD, dê o play e seja feliz :)

 

ASSASSINS CREED UNITY

Exclusivo para a nova geração e PCs, o novo game da franquia que gera milhões pra Ubisoft e faz a alegria de muitos, está de volta, agora com quatro protagonistas principais e visual refinado, graças ao poder de processamento dos novos consoles. A aventura será focada em Paris. Olha aí! (Plataformas: PS4, Xone, PC – outubro/2014)

 

GTA V

Dispensa apresentações. A versão para a nova geração de consoles virá com alguns upgrades, incluindo melhoria na resolução, texturas, mais tráfego de veículos e mais pessoas na rua. Por mais que a versão para os consoles antigos já mostrasse uma cidade viva, a nova versão conseguirá colocar ênfase ainda maior nesse ponto. In Rockstar We Trust, certo? (Plataformas: PS4, Xone, PC – 2014)

 

SUNSET OVERDRIVE

Grande aposta da Microsoft, em parceria com a Insomniac Games, Sunset Overdrive não só agrada visualmente, como parece ser um game extremamente divertido, contando com armas nada convencionais (algumas inclusive, soltam discos de vinil!?!). É um game onde há bastante humor, muitas cores e inspiração em quadrinhos. É mais um game de mundo aberto, onde o personagem principal precisará enfrentar os habitantes que se tornaram perigosos mutantes. História um tanto clichê mas, como gosto de falar, o que importa é a diversão. (Plataforma: Xone – 2015)

 

HALO 5: GUARDIANS

O game da 343 Industries será uma das grandes cartadas da Microsoft para ampliar a penetração do Xone. Segundo a produtora, o game utilizará todo o potencial do novo console da Microsoft, ampliando os esforços realizados em Halo 4, que é um grande game e um dos melhores da série. O trailer não mostra a gameplay, mas não há dúvidas de que não irá decepcionar os fãs da franquia do Mister Chief. (Plataforma: Xone – 2015)

 

CALL OF DUTY: ADVANCED WARFARE

Já apontando um certo desgaste, a milhonária franquia Call of Duty vem clamando por inovação, frescor. Focado em um futuro não muito distante, a Sledgehammer, produtora do game, já disse que esse será o capítulo da série responsável pelas mudanças mais profundas da série, sendo totalmente desenvolvido tendo em mente os novos consoles. E aí, é dessa vez que Call of Duty conquistará também os haters? (Plataformas: PS4, PS3, Xone, X360, PC – outubro/2014)

 

BATTLEFIELD: HARDLINE

Assim como seu rival Call of Duty, o game da Electronic Arts também chega com novo roupagem, focando agora no dia a dia da polícia enfrenta do ladrões no meio da cidade, deixando de lado as guerras entre tropas de exércitos. (PS4, Xone, PS3, X360, PC – outubro/2014)

 

THE RISE OF TOMB RAIDER

Após o sucesso do reboot da franquia Tomb Raider em 2012, seria loucura não produzir uma sequência. A SquareEnix anunciou que a sequência vai falar sobre a evolução da querida personagem Lara Croft, que passou maus bocados no vame anterior e, nessa continuação, seguirá evoluindo. O trailer mostra apenas uma CG e, até agora, nada de gameplay. (Plataformas: PS4, Xone, PC – 2015)

 

METAL GEAR SOLID V: THE PHANTOM PAIN

Após o lançamento de Ground Zeroes, que nada mais era do que um aperitivo do que estava por vir, até agora, o que vimos de MEtal Gear V agradou bastante. A Fox Engine, que foca em iluminação e texturas ultra realistas, além de obter excelentes resultados em consoles da nova geração, também consegue tirar leite de pedra dos consoles antigos. Quem jogou Ground Zeroes, sabe disso. Há grande expectativa pelo título, pois é a primeira vez que a franquia aposta em um game de mundo aberto.

 

BATMAN ARKHAM KNIGHT

A Rocksteady conquistou os gamers de todo o mundo com a sua franquia Arkham, que teve três games memoráveis: Arkham Asylum, Arkham City e Arkham Origins (esse último produzido pela WB Games). O novo game, Arkham Knight, estava programado para sair esse ano, mas foi adiado para o ano que vem, para o desespero de muita gente. Mas o trailer lançado pode ser ir pra duas coisas: ou pra te deixar tranquilo, mostrando que a Rocksteady sabe o que tá fazendo ou pra te deixar mega ansioso. O trailer mostra um game com gráficos ainda mais incríveis e a possibilidade de dirigir o Batmóvel, algo que muitos já pediam nos games anteriores. Olha e baba. (Plataformas: PS4, Xone, PC – 2015)

 

THE DIVISION

Definitivamente, após o lançamento de Watch Dogs, The Division é agora o game gerador de hype da Ubisoft. A justificativa? Gráficos absurdamente incríveis, uma história urgente que fala sobre um vírus que se espalhou em Nova York no Black Friday, possibilidade de multiplayer cooperativo e elementos de RPG. Olha aí o trailer e se segura na cadeira. (Plataformas: PS4, Xone, PC – 2015)

 

THE CREW

É a aposta da Ubisoft em games de corrida. The Crew não será simplesmente mais um game de corrida, pois aposta fortemente em colaboração e interações sociais entre jogadores. É um game de corrida de mundo aberto, com ampla personalização de veículos. Sinto que aqui o foco será diversão acima de qualquer coisa. (Plataformas: PS4, Xone, PC – Novembro 2014)

 

FAR CRY 4

Far Cry 3 foi um grande sucesso. O game trazia belos gráficos, diversão, mundo aberto, veículos variados e uma história insana. Far Cry 4 pega tudo isso e leva para o Himalaia! Isso mesmo, e se você está pensando se………. sim, temos elefantes! A história promete novamente ter bastante importancia no decorrer do game e o vilão tem tudo pra ser polêmico e insano como aquele do game anterior. Na conferência foi anunciada uma funcionalidade um tanto inusitada: a possibilidade de jogar online com um amigo, mesmo que ele não tenha o game! Olha esse trailer! (Plataformas: PS4, Xone, PS3, X360, PC – 2014)

 

THE ORDER: 1886

Nova franquia da Sony, exclusiva para o PS4, The Order ainda é um mistério em termos de história mas, aparentemente fala de mercenários. Mas esse trailer te coloca de frente com uma criatura bizarra. Tente não comparar essa cena com o primeiro Resident Evil. (Plataforma: PS4 – 2015)

 

LITTLE BIG PLANET 3

A famosa franquia do sackboy, toda focada em criação de níveis e cooperação entre jogadores, retorna em sua terceira encarnação. O game de plataforma sempre foi um dos títulos responsáveis por agradar toda a família por conta do tom light e estilo plataforma meio old school. O trailer não mostra grandes inovações, apenas novas personagens, mas vale o play. (Plataformas: PS4, PS3 – 2014)

 

BLOODBORNE

Aqui temos um exclusivo da Sony que já está gerando bastante barulho. Algumas telas vazaram antes da E3 e o projeto ficou conhecido pelo codinome “Project Beast”. Aparentemente baseado na série Dark Souls e Demon Souls, Bloodborne é uma parceria da Sony com a From Software, responsável por esses dois games incríveis citados. O trailer é amedrontador. Observe bem o cachorro destroçado, o clima do trailer e a cena final. Medo, cara! (Plataforma: PS4 – 2015)

 

NO MAN’S SKY

Sem dúvida, um dos games mais interessantes da E3. No Man’s Sky, produzido pela Hello Games. Trata-se essencialmente de um game de exploração espacial baseado em um universo procedural, ou seja, é um game teoricamente infinito pois, assim que o jogador vai avançando e descobrindo novos planetas e espécies, o game vai gerando formas de vida distintas, outros planetas e universos. A experiência será diferente para cada jogador, dependendo da forma como se joga. É, sem dúvida, um conceito bastante curioso e promissor. Dá uma olhada aí embaixo:

 

UNCHARTED 4

Esperado por todos os donos de Playstation, foi apresentado apenas um teaser do novo game. E meu amigo, esse teaser já serve pra criar um hype dos grandes. O diretor criativo do épico The Last of Us está a frente do projeto. Então, espera algo sem precedentes. Uncharted 4 deve ajudar a Sony a vender PS4 feito água durante o ano que vem. Sem mais, aperta o play aí embaixo. (Plataforma: PS4 – 2015).

 

THE LEGEND OF ZELDA

Apresentado pela Nintendo, atendendo as expectativas dos seguidores da franquia desde a época do “Nintendinho”, o novo game da franquia foi anunciado pela Wii U. Será um game de mundo aberto. O trailer mostra um trecho da gameplay, exibindo excelentes gráficos e um universo aparentemente bastante rico. Zelda dificilmente decepciona. Sem dúvida, será um dos games responsáveis por aumentar as vendas do Wii U, assim como está acontecendo com Mario Kart 8. (Plataforma: Wii U – 2015)

 

YOSHI’S WOOLLY WORLD

Esse é um game de plataforma baseado em nosso querido Yoshi, que dessa vez, se aventura em um mundo de tricô extremamente detalhado, nos remetendo a Little Big Planet. Dá uma olhada nesse trailer. (Plataforma: Wii U – 2015)

 

MORTAL KOMBAT X

O novo capítulo da série foi mostrado na conferência da Sony. Utiliando uma versão modificada da já tradicional Unreal Engine 3, o game não mostrou grande evolução visual como muitos esperavam, já que foi anunciado para os consoles da nova geração (apesar de também de contar com versões para os antigos consoles). Novos personagens e promessa de mortais incríveis (o que é esse que aparece no trailer, heim?), devem fazer a cabeça da rapaziada ligada na porradaria. (Plataformas: PS4, Xone, PS3, X360, PC – 2015)

Publicitário apaixonado por games desde que entende-se por gente. Começou a
Anúncios

Call of Duty: Ghosts. Mais do mesmo, denovo?

call_of_duty_ghosts-HD

Hoje, lançamento mundial de Call of Duty: Ghosts, é o grande dia para os fãs do gênero FPS. Todo ano, o mês de novembro gera ansiedade nos fãs da franquia, gerando milhões para a Activision. No entanto, a estratégia de lançar um novo título por ano é condenada por muitos e comemorada por outros.

Com uma janela de lançamento tão curta entre um título e outro, realmente fica difícil entregar inovação sem gerar estafa na franquia. Pra aliviar um pouco a pressão desse curto período de lançamento entre um título e outro, a Activision selecionou dois estúdios para a produção dos games: a Infinity Ward ficou responsável por todos os títulos da série Modern Warfare e aTreyarch pelos games da série Black Ops. Teoricamente, isso dá mais tempo de desenvolvimento para as produtoras, já que elas intercalam o lançamento anual. Mas, na prática, esse ganho de tempo não é tão evidente assim.

Nesse ano a Infinity Ward não deu continuidade à série Modern Warfare, resolvendo introduzir “Ghosts”, título que funciona como uma espécie de sucessor espiritual do excelente Modern Warfare 2. O lançamento é cross-gen, disponível para PS3PS4Xbox 360Xbox One e PC, sendo possível que os jogadores de consoles interajam entre si. Assim, jogadores de PS3 e PS4 poderão jogar uns contra os outros, por exemplo. Isso só é possível por conta da paridade técnica existente entre os títulos. trata-se da mesma engine e exatamente do mesmo jogo, incluindo design de fases e framerate travado em 60fps.

Como a nova geração desponta lá fora no próximo dia 15, é normal que as pessoas estejam perguntando qual a diferença entre as versões de Call of Duty: Ghosts entre os consoles current gen e os next gen. O site IGN aproveitou para produzir um vídeo que deixa bem clara essas diferenças. É evidente que há diferenças entre a atual geração e a próxima, pois trata-se de uma questão de superioridade de hardware. Mas elas não são tão perceptíveis como são em Battlefield 4, por exemplo. CoD: Ghosts nos consoles next-gen possui sutilezas com relação a texturas, iluminação e alguns efeitos de partículas que são mais simples no PS3 e Xbox 360. Mas são detalhes sutis.

Não é segredo para ninguém que Call of Duty: Ghosts é um game produzido para a atual geração de consoles. Ele foi “portado” (adaptação do mesmo código de programação dos consoles atuais nos consoles nex-gen) para o PS4 e Xbox One apenas para incrementar o line-up de lançamento e também por motivos comerciais, já que muita gente deverá comprar os novos consoles na data de lançamento e estarão ávidos para experimentar Call of Duty em um hardware superior.

Com isso, Activision e Infinity Ward perdem uma grande oportunidade de realmente criar uma engine (motor gráfico do jogo) totalmente nova, partindo do zero, com a finalidade de realmente explorar todas as potencialidades dos consoles next-gen. Comercialmente poderia até ser uma atitude mais arriscada em termos de investimento, mas manter as coisas do jeito que estão, só servirá para manter a franquia Call of Duty no marasmo.

Ainda não joguei “Ghosts”, mas já há relados pela web que novamente confirmam o que já era esperado: é mais do mesmo, mais uma vez. Mas vamos lá, é pra mexer em time que está ganhando? Além do mais, é muito provável que o game venda milhões, assim como os anteriores, que também sofreram com as mesmas críticas :)

4 razões para Tablets não substituirem Consoles

timthumb

por @rodrigocunha

Gente que adora aparecer em notícias é o que não falta. Gerar polêmica, então, nem se fala 🙂

Hoje foi a vez de Greg Richardson, CEO da Rumble Entertainment. Segundo ele, “O aumento de poder e flexibilidade de todos esses dispositivos é incrível. Quando penso nos próximos consoles (PS4 e Xbox One) e em quem vai ganhar essa guerra, acho que o vencedor é claramente o tablet. Não é só o poder subestimado dos processadores que vai levar a isso. O aumento de flexibilidade, onde vemos essas coisas conectadas a televisores e também plugados com controles? Isso é tudo muito legal. Os jogos que estamos fazendo levarão essas experiências ao máximo”, explica.

Ele continua, dizendo que “A fidelidade gráfica, a habilidade de jogar com qualquer um que tenha Android ou iOS, poder carregar essas coisas aonde quer que você vá e o estilo que permite ao jogador ficar de trinta minutos a uma hora jogando por vez… tudo isso é um grande desafio para o tipo de produtos que fazemos”.

O que o CEO da Rumble fala é um típico discurso de CEO querendo valorizar a própria empresa. É um discurso genérico, que não leva em conta quatro  pontos que julgo importantíssimos e fazem com que games de console e mobile sejam tão diferentes:

1. CASUALIDADE

Games mobile são feitos para consumo rápido e geralmente possuem sistema de evolução de personagem baseado em monetização, ou seja, para destravar benefícios extras, o usuário vai precisar comprar moedas virtuais. Sem falar, é claro, que games mobile são feitos para que seja possível jogar em qualquer lugar, seja dentro do metrô, num consultório médico, elevador, fila de banco. São games que não dependem essencialmente de som, por exemplo, já que priorizam experiências breves e práticas.

2. JOGABILIDADE

Outro fator preponderante aí é a limitação de possibilidades de comandos em games mobile. Consoles têm joysticks que possuem, em média, 8 botões. Isso abre diversas possibilidades durante o processo de concepção e escopo de um game, resultando também na profundidade da experiência. Mobile devices possuem tela limitada, mesmo os tablets. Caso um game dependa demais de comandos mais elaborados, a interface para o usuário ficará inevitavelmente poluída, ocupando um espaço valioso na tela. E cá entre nós: tocar na tela para gerar uma ação não é lá muito amigável. recentemente, a Logitech anunciou um joystick que serve para ser acoplado em smartphones, oferecendo mais botões e possibilidades. Mas, vamos lá, nesse caso não vale mais a pena comprar um Nintendo 3DS ou um Vita?

logitech_joy

3. IMERSÃO

Aqui temos um ponto bastante crítico. O fator imersão é algo que mobile devices jamais conseguirão proporcionar. Não há como simular a experiência de jogar em uma grande sala, com uma TV LED 50 polegadas + Home Theater de última geração, aquele game com roteiro elaborado, que prioriza não apenas a parte gráfica, mas também a parte sonora. Telas maiores tendem a favorecer a imersão. Do que adianta jogar em um mobile device com altíssima definição, se o tamanho da tela é limitado?

4. AMADURECIMENTO DE HARDWARE

Consoles tendem a entregar jogos cada vez mais complexos não somente pelas especificações técnicas. O grande lance aí é o tempo que as produtoras têm para conhecer profundamente a arquitetura de processamento dos consoles. Como o ciclo de vida deles gira sempre em torno de 7 ou 8 anos, os devs passam a conhecer todos os truques necessários para otimizar o desenvolvimento e explorar ao máximo as capacidades de cada console, espremendo poder até a última gota. Sem falar que não há grande fragmentação, já que sempre existem 2 ou, no máximo, 3 consoles por geração.

Mobile devices são atualizados todo ano e donos de devices mais antigos vão querer continuar a jogar os games nos seus antigos devices. Isso gera uma dor de cabeça para as produtoras, pois os games passam a ser pensados não tendo em mente o melhor hardware, mas sim pensando em como otimizar tempo e dinheiro para entregar um produto que funcione bem em todos os modelos.

Além de tudo isso, os portáteis (GameBoy, GameGear, Nintendo 3DS, PS VITA e tantos outros), nunca sequer ameaçaram a produção de consoles. Sempre foram complementares. Eu diria que hoje eles estão entre uma experiência mobile e console, se aproximando mais desse último.

Há outro ponto também a ser considerado. Executivos da Sony já mencionaram que o sucessor do PS4 será um tablet. Há várias maneiras de interpretar essa informação. Primeiramente, hoje a palavra tablet também é genérica. O controle será um tablet ou o console? O Playstation Tablet irá projetar a imagem na TV e terá várias funcionalidades ou a experiência será focada essencialmente em games?

O que vem por aí ainda não se sabe. Mas, o que temos certeza é que gamers hardcore e gamers casuais sempre existirão e, para ambos, sempre haverão smartphones, tablets, consoles e portáteis 🙂